sábado, 30 de junho de 2012

Ele diz que ganhou. Pois que leve a bicicleta!

Miguel Relvas diz que "já deveria ter sido colocado um ponto final" no caso das ameaças que fez a uma jornalista do Público. E explica que o assunto só não está arrumado de vez porque, numa indirecta ao não menos lamentável PS, "há quem tenha mau perder". A isto se resume a vaga ideia que o ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares tem do que deve ser a honra dos homens e a ética política: é tudo uma questão de ganhar ou perder no jogo lá entre eles, os da gamela.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

O que verdadeiramente interessa (em 11 títulos)

1. Godinho identificado como o homem que entregou nota de 20 euros.
2. Terapia genética mata vício da nicotina em ratinhos.
3. Luís Jardim: a Luciana acredita na reconciliação.
4. Sara Sampaio muda de casa.
5. Seleção nacional recebida em Lisboa como campeã.
6. Merche faz produção sensual um ano depois de ser mãe.
7. Eusébio não vê o Portugal-Espanha e fica nos Cuidados Intensivos.
8. Eusébio viu o Portugal-Espanha e já está no quarto.
9. Retoques no rosto de Letizia já rondam os 3.600 euros.
10. Pippa volta a sentar-se nas bancadas de Wimbledon.
11. ONU cria Dia Internacional da Felicidade.
Assim vai Portugal e o mundo, a fazer fé nos jornais.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Sentido de quê? Vai gozar outro, ó Zorrinho!

O líder da bancada do PS, Carlos Zorrinho, diz que o deputado socialista Ricardo Rodrigues demonstrou "sentido de responsabilidade" ao demitir-se da direcção do grupo parlamentar, depois de ter sido condenado por roubar os gravadores de dois jornalistas da revista Sábado. Sentido de responsabilidade? Sentido de responsabilidade é não roubar nada a ninguém, porra! Rodrigues devia era ter deixado o Parlamento mal pôs a pata na poça. Esperar pelas decisões dos tribunais e só então tomar semiatitudes é um jogo de hipocrisia política que já mete nojo.

Olá, cá está ele!

Foto Hernâni Von Doellinger

A Anémona da Olá está de novo completa. Foi finalmente recolocado o reclame dos gelados Olá roubado por vândalos da arte e património no final do Verão passado, como aqui oportunamente denunciei. Já não é, infelizmente, o original e imenso lençol de plástico que tanto sucesso fazia junto dos admiradores estrangeiros do famoso Olá's Monument (como consta nos melhores roteiros turísticos internacionais), mas um delicado baixo-relevo talhado na própria relva. Também está bem. O que se perde em espectacularidade, ganha-se em prevenção e segurança: para roubar este, é preciso levar o jardim.
Janet Echelman, a norte-americana autora do conjunto escultórico, deve dar pulos de contente com o regresso a casa da peça basilar do seu trabalho. E a Bandeira Azul, embora com algum atraso, vai de certeza ser imediatamente devolvida à Praia de Matosinhos.

(Ler mais em A anémona da Olá)

O ténis, essa asseada modalidade

Gosto muito de ténis. De ver na televisão. Não sei jogar, nunca joguei. Suponho que nem seria capaz de acertar com a raquete na bola, quanto mais executar um approach ou um lob, meter um passing shot ou um slice, esmagar com um smash - logo eu que sou um zero a inglês. Mas há uma pancada do ténis moderno em que sou craque: a limpeza-do-suor-com-a-toalha. Como é do conhecimento de todos os seguidores da modalidade, a limpeza-do-suor-com-a-toalha é, hoje em dia, a principal pancada do ténis. Até há chegadores de toalhas, apanha-bolas nos tempos livres. Qualquer jogador que não limpe-o-suor-com-a-toalha de trinta em trinta segundos nem é jogador nem é nada. Num encontro que dure duas horas, por exemplo, hora e meia é gasta a limpar-o-suor-com-a-toalha. E os duelos de limpeza-do-suor-com-a-toalha são interessantíssimos. E as toalhas são de desenho exclusivo para cada torneio. Lembro-me de quando não era assim e era uma chatice. Não sei quando é que esta revolucionária pancada começou, mas podia ter sido inventada por mim. Haviam de me ver, pratico-a de forma exímia. Mesmo nesta idade. Principalmente nesta idade e com este calor. Que pena o ténis não ser só limpar-o-suor-com-a-toalha.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

terça-feira, 26 de junho de 2012

O bebé que era sedentário, mas a mãe não queria

Estacionaram o carro junto à praia. A mulher saiu, morena e roliça, num refrescante vestido branco comprido à mãe-de-santo. O homem foi ao banco de trás buscar o filho e pousou-o no chão. O miúdo não gostou. Era ainda um bebezinho dos primeiros passos que quase não se tinha em pé. Se calhar por isso, sentou-se no empedrado, abriu as goelas e chorou o seu protesto. A mãe procurou por quem passava, era eu, e ralhou pedagógica e mansamente ao petiz, naquele português doce do Brasil: - Rodinei, chega! Que sedentarismo...

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Passos Coelho é um génio e pronto

"Estivemos a fixar novas metas para o futuro", anunciou Passos Coelho no final de um extraordinário conselho de ministros extraordinário, na sala de baile do Palácio da Ajuda. O alegado primeiro-ministro de Portugal é um génio: ele sabe que não se fixam metas para o passado. Sobretudo se as metas forem novas.

domingo, 24 de junho de 2012

A Justiça é cega. A ministra também.

A ERC custa aos contribuintes portugueses mais de quatro milhões de euros por ano e não serve para nada. O Tribunal de Paredes de Coura custa aos contribuintes portugueses certa de onze mil euros por ano e é essencial para o acesso à justiça de uma população abandonada, envelhecida, pobre e mal servida de transportes e estradas. O Governo precisa de poupar: vai fechar o tribunal.

O meu Santo António, em honra do São João

Quando eu era pequeno, Fafe tinha três grandes festas e eram as maiores festas do mundo: a Senhora de Antime, a Festa da Bomba e a cascata do Santo António na minha rua. Hoje sei que Fafe tem duas festas de considerável importância local: a Senhora de Antime, ainda e sempre, e essa recente e extraordinária festa da cultura que são as Jornadas Literárias.
Para que não pensem que a minha memória exagera, deixem-me contar-lhes o seguinte: no nosso Santo António até tínhamos altifalantes, que o Zé da SIF arranjava e aquele pedaço de Fafe regalava-se a ouvir o "Tango dos Barbudos", o "Fado das Trincheiras" e o "Je T'Aime Moi Non Plus", que era proibido e eu nunca percebi o que é que estava ali a fazer. O Zé da SIF é irmão do Armando Perrinha, e eles mais o Zé Maria, que foi comando no Ultramar, a Dina e a Luísa são filhos do Agostinho Cachada e da Senhora Laura, família quase minha, vizinhos do coração e gente do melhor que pode haver.
Os discos deviam ser poucos. O "Tango dos Barbudos", parece que lhe estou a ver a capa, tocava vezes sem conta e o "Se eu morrer na batalha só quero ter por mortalha a bandeira nacional", do Fernando Farinha fardado, fazia a rua inteira chorar, não sei se por causa do Zé Maria já estar na guerra. Dessa parte não me lembro bem. Lembro-me é que nem com o "Je T'Aime" se me arrebitava o pirilau, também não sei se por medo de ir preso ou por o meu corpo ainda não ter idade para semelhantes acrobacias.
Tínhamos foguetes também. Eram foguetes de três-croas, foguetes envergonhados, quase peidos, se me dão licença, géu, trás, trás, adeus e até ao próximo. E tínhamos girândolas e diabos-encaixados. Tudo comprado no Rates, mais ou menos onde está agora escondido o monumento à Justiça de Fafe. Quase tudo comprado no Rates, devo corrigir-me: na verdade, íamos em bando para nos aproveitarmos das distracções do homem, a antipatia enfiada numa larga bata de sarja cinzenta e com manguitos, e metíamos ao bolso tudo o que lá coubesse. Levávamos muitos bolsos e o mais certo é que o Senhor Rates até fosse boa pessoa.

Estávamos portanto no Santo Velho, quando a minha rua era um largo de terra e tílias e nem desconfiava que um dia havia de ser uma estrada com semáforos e tudo. Hoje a nossa cascata seria multada por estacionamento proibido.


(Parte do texto A Festa da Bomba, que escrevi e publiquei no passado dia 22 de Abril)

sábado, 23 de junho de 2012

O choque é chique

Jorge Moreira da Silva, vice-presidente do PSD e jovem senador da Nação, diz que "Portugal está a precisar de um choque de empreendedorismo". Eu, que não percebo nada de electricidade e a língua enrola-se-me nas palavras difíceis, digo que Portugal está a precisar de comida.

Se não fosse o PS, estávamos bem lixados

Os portugueses não têm dinheiro. Os portugueses não têm trabalho. Por uma boa causa, como lhes disseram: para salvar o País. Não sei quem foi que se esqueceu de o prever, mas as receitas fiscais caíram 3,5 por cento até Maio e ficam bastante aquém da meta do Governo. O défice do Estado aumentou 35 por cento nos cinco primeiros meses do ano e a execução orçamental está comprometida. Isto se calhar anda tudo ligado, mas eu não sou perito.
Já se adivinham novos impostos sobre quem não tem dinheiro nem emprego, nem razão nenhuma para pagar impostos. Fala-se do imposto de sobrevivência: respira, paga! Os funcionários públicos poderão ficar sem o 12.º mês. As reformas serão ultracongeladas e os reformados também. José Luís Arnaut vai para administrador da REN. Miguel Cadilhe, Eduardo Catroga, António Mexia, Faria de Oliveira, Jorge Coelho, Ferreira do Amaral, Armando Vara, José Penedos, Dias Loureiro, Mira Amaral, Pina Moura, Ângelo Correia, Fernando Gomes, Celeste Cardona, António Vitorino e mais alguns do exclusivíssimo Clube dos Sempre os Mesmos também lá vão andando, sabe Deus como.
Salva-nos o PS, que está "intransigentemente contra qualquer tentação de agravar a dose de austeridade" na sequência dos números ontem divulgados. O PS não é para brincadeiras: depois da "abstenção violenta", agora "intransigentemente contra". O PS gosta de palavras. Um dia destes ainda faz qualquer coisa.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Duarte Lima está em todas

O ex-deputado social-democrata Duarte Lima recebeu, em 2002, um milhão de euros do contra-almirante Rogério d’Oliveira, nos entrefolhos do negócio da compra de dois submarinos pelo Governo português (PSD/CDS) a uma empresa alemã. De acordo com o semanário Sol, que avança a notícia, a descoberta terá sido feita pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal e resultou do cruzamento de dados de três processos: Operação Furacão, Rosalina Ribeiro e Monte Branco. Duarte Lima e o contra-almirante foram constituídos arguidos, por existirem fortes indícios de crimes de branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal, acrescenta o Sol.
Pois é. O negócio dos submarinos comprados por Paulo Portas (lembram-se?) é cada cavadela cada minhoca. E o cavador trabalha com pinças. Agora imagine-se que lhe passam uma retroescavadora para as mãos...

A ver navios

Foto Hernâni Von Doellinger

quinta-feira, 21 de junho de 2012

O Relvas estava lá

A Selecção só podia ganhar. O ministro Miguel Relvas estava lá, na tribuna de honra. Estava tudo controlado. O outro Miguel, o Platini do Alemanha-Espanha, duas cadeiras ao lado e cara de parvo, não sabe com quem é que se está a meter...

Dia D: tudo a postos para a invasão

Foto Hernâni Von Doellinger

terça-feira, 19 de junho de 2012

Sim, é vigarice. E já alguém foi preso?

O professor Nunes da Silva foi hoje ao Parlamento e disse, na comissão de inquérito às parcerias público-privadas, que a transferência do risco de tráfego das concessões rodoviárias para o Estado, em troca da disponibilidade das infra-estruturas, é uma "das maiores vigarices" que já viu em toda a sua vida. E eu volto a perguntar: e ninguém vai preso?

O Largo do Rato e o saco de gatos

                                                                                        Foto Hernâni Von Doellinger

Depois das duas derrotas seguidas de Guilherme Pinto em Matosinhos, o PS do Largo do Rato acagaça-se perante tão exuberante demonstração pessoal de falta de apoio das bases, como se diz em política, e procura outro candidato para as eleições autárquicas do próximo ano. Pinto leva a mal, esperneia, agarra-se ao tacho com quantas mãos tem e, em desespero de causa, organiza uma tainada com apoiantes onde anuncia que vai concorrer como socialista independente. Contra o PS.
Após dois bem sucedidos mandatos à frente da Junta da Freguesia de Matosinhos e cavalgando a onda da recente vitória para a Concelhia do partido, António Parada acha que chegou a sua hora de tomar conta da Câmara. O PS do Largo do Rato não concorda, quer alguém mais "ó doutor", as mangas de camisa arregaçadas são como o elefante, incomodam muita gente. Parada não se fica, vai ao mercado, reúne as tropas e apresenta-se a eleições como socialista independente. Contra o PS.
Desiludido com a experiência falhada como deputado e convencido de que o tempo varreu as memórias, Manuel Seabra prepara-se para voltar a casa e à presidência da Câmara, que uma vez lhe caiu no colo. O PS do Largo do Rato pede desculpa ao "ó doutor", mas explica que pretende alguém com a folha limpa. Seabra sente-se desconsiderado, não vai ao mercado e avança para a campanha como socialista independente. Contra o PS.
Cansado da insignificância e de que lhe andem a calcar as couves do quintal, Narciso Miranda regressa à luta, ignorando olimpicamente o Largo do Rato. Ele é que é o verdadeiro socialista independente, o Narciso, e vai a votos. Contra o PS, obviamente.
Portanto, resumindo e concluindo: Guilherme Pinto, António Parada, Manuel Seabra e Narciso Miranda são todos candidatos à presidência da Câmara de Matosinhos nas autárquicas de 2013, todos como socialistas independentes, todos contra o PS. O lema geral da campanha é "Cuidado com as Costas, Cuidado com a Faca". O PS arranja um "ó doutor" e ganha. O PSD, como se sabe, não entra nesta história.
Podia acontecer.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

INEM: boas notícias

Tenho sido perguntado por alguns leitores do Tarrenego!, que pretendem saber do actual estado de saúde do tripulante da ambulância do INEM que sofreu um acidente, no passado dia 11 de Abril, na Circunvalação, Porto. E há notícias animadoras. Contactei o INEM, que teve a gentileza de enviar-me, hoje, a seguinte informação: "O nosso colega teve alta há cerca de três semanas e encontra-se agora a fazer fisioterapia. As perspectivas de que venha a recuperar totalmente são, felizmente, boas."
Obrigado ao INEM.

Vai ser um rico Verão, se não chover

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

domingo, 17 de junho de 2012

Guilherme Pinto não ganha uma

Guilherme Pinto, presidente da Câmara de Matosinhos, perdeu as eleições para a Federação do PS/Porto e até em casa levou banhada. É prova de regularidade. Há quinze dias já tinha perdido as eleições para a Concelhia, através do seu vice na Câmara, Nuno Oliveira. Mas está tudo bem: o PS não é para levar a sério.

E ao 21.º dia deixaram o parque em paz

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

O rapaz ia chamar-se Porsche Panamera

Após duas filhas e dois anos e meio de "uma felicidade única", a cançonetista Luciana Abreu Sodré Costa Real e o jogador de futebol Yannick dos Santos Djaló resolveram meter os papéis para o divórcio. Cada qual fez o seu comunicado de imprensa para informar o País. Discutem agora o direito de propriedade sobre o Porsche Panamera. Compreende-se: era o nome que estava guardado para o primeiro filho rapaz que tivessem.

sábado, 16 de junho de 2012

Trabalhar já não chega. E depois há o desemprego.

O trabalho "deixou de proteger as pessoas da pobreza", tendo-se transformado num "mecanismo de aprofundamento das desigualdades sociais". A prova disto, sustenta o sociólogo Agostinho Rodrigues Silvestre, é que 12 por cento dos trabalhadores portugueses viviam abaixo do limiar de pobreza em 2010. E isto era há dois anos. E em cima disto ainda há os que nem têm emprego e são já quase milhão e meio. É assim que isto está. Agora imaginem que Portugal não estava no bom caminho...

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 20

Foto Hernâni Von Doellinger

No caminho certo, mas para onde?

As famílias com consumos elevados de energia e os pequenos negócios vão sofrer um aumento de 7,4 por cento no preço do gás e de 2 por cento na electricidade. O Ministério da Justiça quer encerrar 54 tribunais, quase todos no País interior. A Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, deve fechar portas até ao fim do ano. Directores das escolas do ensino básico e secundário afirmam que o despacho de organização do próximo ano lectivo vai criar dificuldades sérias à abertura das aulas. A Fenprof faz tenção de penhorar o Palácio das Laranjeiras e mandar o ministro Nuno Crato para debaixo da ponte. O PCP prepara uma moção de censura ao Governo. O PS, enrodilhado nas tricas autofágicas do costume, não sabe o que há-de fazer à vida. O País discute se Cristiano Ronaldo deve ir ao psicólogo ou à bruxa. Jens Weidmann, presidente do Bundesbank, diz que "Portugal está no caminho certo". O seu representante em Lisboa, Pedro Passos Coelho, apressou-se a explicar no Parlamento que não podia estar mais de acordo.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

O Castelo do Queijo e o palácio flutuante

Foto Hernâni Von Doellinger

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 19

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

Passos Perdidos ou Triângulo das Bermudas?

Um documento de 36 páginas com a actualização do Plano Nacional de Reformas ficou esquecido mais de 40 dias na gaveta da presidente da Assembleia da República, a jovem aposentada Assunção Esteves. Soube-se ontem. O documento tinha sido enviado pelo Governo. Na terça-feira, quatro deputados socialistas da comissão parlamentar de inquérito ao caso BPN estiveram desaparecidos durante cerca de dez horas, deixando sozinha e entregue aos bichos a camarada Ana Catarina Mendes. Basílio Horta, Pedro Delgado Alves, Pedro Nuno Santos e Hortense Martins já foram encontrados. Estão livres de perigo.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 18

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

Palavras para quê? É um artista português


Esqueçamos, por momentos, Cristiano Ronaldo. E Miguel Relvas. Puxemos à memória aquele célebre anúncio da televisão a preto e branco com um homem (africano do Império, por sinal) a abocanhar uma cadeira e a fazê-la andar à roda acima da cabeça. Aquilo é que eram dentes fortes, gengivas sãs, boca saudável. E tudo porquê? Porque o artista era um artista português e usava Pasta Medicinal Couto.
Eu, que sou dos tempos áureos do Restaurador Olex, também usei a Couto durante mais de um quarto de século, julgo que inicialmente "receitada" pelo Quinzinho da Farmácia, o "médico" dos pobres de Fafe, o melhor médico de família que Deus ao mundo botou, ainda os médicos de família não tinham sido inventados. Aquela coisa de ser "Medicinal" no nome do meio também me convencia, tenho que confessar. E só a larguei após sucessivas tentativas falhadas para fazer sequer mexer uma cadeira com os dentes e depois de ir ao dentista pela primeira vez na vida, aos 45 anos.
A fórmula da Pasta Medicinal Couto foi registada a 13 de Junho de 1932, fez ontem exactamente 80 anos. Prometia não só lavar os dentes, mas também protegê-los dos malefícios da sífilis e evitar as infecções das gengivas. Em 2001, por imposição das normas comunitárias relativas a este tipo de produtos, a marca foi obrigada a deixar cair a tão sedutora quanto conveniente designação de "Medicinal", passando a chamar-se simplesmente Pasta Dentífrica Couto. Até hoje.
Mas agora há novidades. O principal accionista da empresa Couto, em Vila Nova de Gaia, aproveitou o aniversário para revelar que tem dois pretendentes à compra da marca. Um da área da cosmética e outro do sector farmacêutico, ambos com intenções de "aumentar mais as vendas". O negócio deve ser fechado até 2017. São boas notícias. E hoje em dia as cadeiras também são muito mais leves.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 17

Foto Hernâni Von Doellinger

Histórias da Guerra Colonial

A Guerra Colonial é o tema da tertúlia que um grupo de ex-combatentes promove no próximo sábado, pelas 16 horas, no Café Marinho's, n.º 695 da Rua da Alegria, no Porto. A iniciativa, com entrada livre, tem por título "Vem contar a tua história" e permite que qualquer participante dê o seu testemunho, se assim o desejar.
O mote será lançado com uma intervenção do coronel Gaspar Ferreira, militar de carreira presente nas três frentes da guerra, e pelo jornalista Jaime Froufe Andrade, que fará a leitura de uma passagem do seu livro "Não sabes como vais morrer".

Paredes de Coura, na paz do Senhor

Foto Hernâni Von Doellinger

Sábado, dia do meio da chamada Feira Mostra de Produtos Regionais do Alto Minho, em Paredes de Coura. São três da tarde, mas podiam ser da madrugada. O certame encolhe de ano para ano e parece que é cada vez mais frequentado apenas pelos expositores. Adoro esta terra, assim mansa e deserta. Eu, que sou visita. Mas os courenses, que são o que importa, como é que aguentam que tudo lhes esteja a escorrer das mãos?

terça-feira, 12 de junho de 2012

O homem para certas e determinadas coisas

Paulo Pereira Cristóvão demitiu-se da vice-presidência do Sporting. Dois meses depois de ter sido constituído arguido no chamado "caso Cardinal", de ter pedido a suspensão do mandato e de, passados dias, ter feito marcha-atrás, agora parece que é. A SIC Notícias está a informar que Pereira Cristóvão vai ser ouvido por um juiz, depois de amanhã, por suspeitas de burla, fraude fiscal, participação económica em negócio e peculato. O ex-dirigente sportinguista, segundo aquela televisão, é suspeito de desviar dinheiro do clube.
Godinho Lopes fez asneira quando "escolheu" este vice-presidente e lhe encomendou o pelouro das infra-estruturas e património do Sporting. Sobretudo das "infra-estruturas". Fortemente ligado às claques, Pereira Cristóvão terá parecido ao presidente o homem certo para tratar de certas e determinadas coisas. O Sporting quis ser como "os outros" e não foi campeão. Os tribunais decidirão o resto.

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 16

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

Anthony Bourdain deixou-me ficar mal

Gosto do estilo e dos programas de Anthony Bourdain, a estrela de televisão que acaba de se mudar de armas e bagagens para a CNN. Apresentei-o a amigos, recomendei-o aqui. E gosto tanto que, ao princípio da noite de sábado, enquanto quase quatro milhões de portugueses sofriam com a segunda parte do Alemanha-Portugal da RTP, eu entretinha-me a ver na SIC Radical dois episódios do No Reservations, um dos quais dedicado a Macau. Mas fiz mal. Afinal tive um desgosto, já não bastava o da bola.
São episódios recentes, suponho que da temporada de 2011. No de Macau, que é o que para o caso interessa, a certo passo Bourdain quer saber da herança lá deixada pelos portugueses, nomeadamente na gastronomia, e levam-no ao Restaurante Fernando. É casa de açoriano e é ali que o ex-chef mais famoso do mundo vai provar os dois mais notáveis paradigmas da cozinha tradicional açoriana: as tripas à moda do Porto e a carne de porco à alentejana. Não estou a brincar. Eu nunca mais tenha apetite se não foi assim que Anthony Bourdain referiu depois estes dois pratos no seu programa: a dobrada e o porco com amêijoas como invenções dos Açores.
Confundiram-no ou confundiu-se. Em qualquer dos casos, o bom do Tony não fica bem no retrato. Vê-se que se calhar não se prepara, dá para desconfiar que não pesquisa, que não confirma. É uma celebridade, bebe uns copos e faz ele muito bem, fia-se nos informadores locais, assina por baixo e faz ele muito mal. Percebo agora porque é que comeu bifanas em Lisboa.
Curiosamente, até há quem defenda que a carne de porco à alentejana é um prato de origem algarvia, confeccionado, isso sim, com carne de animais alimentados no Alentejo, mas deslocalizá-lo para os Açores é ir longe de mais. É meter muita água pelo meio. Já quanto às famigeradas tripas, fosse Bourdain aos seus arquivos pessoais e teria facilmente descoberto que, dez anos antes, elas lhe tinham sido apresentadas e explicadas no Porto, o local certo e de nascença.
Salvou-se a alcatra, que também saltou para a mesa do restaurante macaense. A alcatra, sim, pode ser entronizada como o grande contributo da cozinha açoriana para o património gastronómico da humanidade. A alcatra honesta, feita por mão sábia e em alguidar experiente, a alcatra do aroma que chama, do gosto como nenhum outro, da carne a desfazer-se na boca. A alcatra de Vitorino Nemésio, da festa e da fartura. Da partilha.
Melhor do que a alcatra, só a alcatra de peixe. Exactamente, alcatra de peixe. Melhor ainda: a alcatra de peixe de um certo sítio em Porto Judeu, não muito longe de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira. Que mais querem saber? O Zé do Boca Negra trata os clientes todos por tu? Trata. Dá raspanetes à freguesia? Dá, mas é a única borla. É sportinguista? É, coitado. Fala pelos cotovelos? Fala, fala. Tem quatro. Quatro em cada braço. E a alcatra de peixe? É um fenómeno ainda maior.

Alinhamentos

Foto MANUEL FLÓRIDO
Foto MANUEL FLÓRIDO
Foto MANUEL FLÓRIDO
Foto MANUEL FLÓRIDO

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 15

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

Cá se vai andando sem cabeça e sem orelhas

                                                                                                                Foto Hernâni Von Doellinger

domingo, 10 de junho de 2012

Um campeão no país que encolhe os ombros

O jornal espanhol El País fez o balanço de um ano de troika em Portugal e concluiu que Pedro Passos Coelho é o "campeão da austeridade e das teses alemãs". Já o americano New York Times apostou numa análise social, chamando a atenção para "um povo que simplesmente encolhe os ombros, e segue em frente perante os cortes e o desemprego". Complementares e assertivos. Hoje é um triste 10 de Junho, que uma anafada senhora nos deixa celebrar por empréstimo. Entretanto pincha a bola.

O que Rui Rio diz e o que quer dizer

Rui Rio foi à Curia dar uma aula de autarquismo ao PSD e disse: "As câmaras endividadas não deviam ter eleições, mas sim uma comissão administrativa para a gestão corrente, até estarem equilibradas". Alguém do PS, de pele sensível e naquela precipitação do costume, sentiu logo aqui qualquer coisa "a roçar o antidemocrático". Sentiu mal. Na verdade, Rio não falava de "câmaras", falava da Câmara do Porto e da Câmara de Gaia. E não falava de "eleições", falava do seu inimigo figadal Luís Filipe Menezes, que deixa a Câmara de Gaia cheia de obra e dívidas (é a segunda autarquia mais endividada do País, logo a seguir a Lisboa) para saltar para a Câmara do Porto, que Rui Rio abandona por limite de mandatos.
Rio só quis apontar os faróis para Menezes e para a alegada má gestão autárquica do lado de lá das pontes. O que Rio acha é que quem, segundo o seu juízo, faz fraca figura num sítio não merece ir tentar a sorte noutro. Rio até desafiou o partido: "Estou para ver se o PSD, nas autárquicas, vai ser coerente e deixa de apoiar quem geriu mal". Quem geriu mal, estão a perceber? Me-ne-zes, estão a perceber?, disse Rio sem dizer. Não sei onde é que está a confusão.

Uma retrete que não é para brincadeiras

Foto Hernâni Von Doellinger - Paredes de Coura

sábado, 9 de junho de 2012

Eugénio da Andrade não merecia

Foto RICARDO CASTELO

A Fundação Eugénio de Andrade, no Porto, foi extinta. Fechou, em Setembro, por falta de apoios e de dinheiro, e já não vai a tempo de emigrar para a Holanda, como o Pingo Doce, ou fugir para o Brasil, como a Leya, em busca de uma cidade e de um país que a mereçam. Creio que a questão que nos deve fazer pensar é exactamente esta e não outra: a Fundação Eugénio de Andrade, no Porto que salvou o Coliseu, teve que fechar portas, apenas seis anos após a morte do poeta; como foi isto possível, nas nossas barbas?
Fala-se de despejos, de intrigas, de mentiras e conveniências mais ou menos declaradas, atiram-se culpas de ida e volta, há conferências de imprensa e ameaças com tribunal. Recuso-me a nomear esta gente, não me interessa quem é quem em cada lado da barricada ou barricadas - autarquia, ex-directores da fundação ou herdeiros de Eugénio de Andrade. Pergunto: em nome de quê ou de quem foram levantadas as barricadas que deram nisto, nesta barracada? Como pode esta gente, agindo de formas tão diferentes e contrárias, dizer toda que está a respeitar "a vontade do escritor"?
O espólio de Eugénio de Andrade pertence, por testamento, à cidade do Porto e está à guarda da Câmara Municipal. Os ex-directores defenderam ontem que o melhor destino a dar ao imóvel que durante 19 anos acolheu a fundação seria criar uma casa-museu dedicada ao poeta, uma Casa da Poesia.
Confesso que, de momento, o futuro do legado físico de Eugénio de Andrade é o que menos me inquieta. O espólio é certamente importante, vale dinheiro, e portanto alguém lhe há-de dar rumo e uso, mal nos desprecatemos. E a casa, palavra de honra que não acredito que a insensibilidade cultural de Rui Rio chegue ao cúmulo de ele não arranjar uma solução que a ligue de modo efectivo e digno ao grande poeta, logo que a poeira assente.
O que me incomoda, de momento, é o circo desnecessário e maldizente montado à volta e em nome do nome e da memória-memória de Eugénio de Andrade. Ele não merecia isto. E merecia mais de nós todos que não fizemos nada.

(No início do ano fizeram de Eugénio de Andrade notícia, por razões que o poeta não merece. E depois Eugénio morreu outra vez. Foi há cinco meses. Publiquei então este texto, hoje enriquecido com a excelente foto do Ricardo Castelo.)

sexta-feira, 8 de junho de 2012

quinta-feira, 7 de junho de 2012

O velho de Santa Comba não merecia

O bispo Januário Torgal Ferreira comparou Passos Coelho ao ditador António Oliveira Salazar. O que eu acho é isto: o velho de Santa Comba não merecia.

Chegaram e tomaram conta do parque - agora é!

Foto Hernâni Von Doellinger

Eu era mais côdea de broa com açúcar amarelo

Conhecia-os de vista. De passar pelas montras ou das mesas do Peludo, mas nunca me tinham sido apresentados. Até que uma vez o meu pai trouxe meia dúzia para casa. Vinham naquela caixinha de papel, obra de engenharia feita na hora, ali mesmo aos olhos do freguês, com a habilidade e o requinte de quem constrói um avião. Se me estou a lembrar bem, havia, naquele tempo, os bolos de arroz, as bolas de berlim, os queques, os jesuítas, os caramujos, os mil-folhas, as natas e os cocos. As tíbias apareceram depois, já na era das minissaias.
O meu pai chegou muito tarde "da música" e se calhar os pastéis vinham por isso, para adoçar a boca à minha mãe. Não tenho a certeza. Era pequeno demais para então perceber o que agora sei tão bem. Mas gostei da festa que foi: acordámos - a Nanda, o Nelo e eu -, sentámo-nos todos na beira da cama da frente, ao lado da nossa mãe, provámos a novidade, o nosso pai fez-nos rir e fomos felizes. Então pastéis era aquilo? Era bom. Para mim, quase tão bom como uma côdea de broa coberta com açúcar amarelo.

Fafe era um terra de antonomásias. No nosso imenso pequeno mundo, tínhamos o Largo, a Avenida, o Monumento, a Recta, o Campo, o Depósito, o Banco, os Serviços, a Bomba, o Jardim, a Quelha, o Santo e o Café, que era o Peludo, na verdade Cine-Bar. Mas cafés e tascos havia muitos. Uma mão-cheia de cafés, e tascos até dar com um pau, para ser mais preciso. Pastelarias, salões de chá ou snack-bares é que nada, até aparecer o Dom Fafe, mesmo no centro da vila, coisa fina e para clientela sem gases. O Dom Fafe passou a ser o Snack-Bar.

Eu era calisto. Calisto televisivo. A preto e branco e com muitos pedimos desculpa por esta interrupção. Para me fazer pagar a moina, o Sr. Avelino do Café, que era o Hoss do "Bonanza" em pessoa menos o chapéu, entregava-me umas moedas e mandava-me à cozinha do Hospital buscar uns enormes tijolos de gelo que ele depois partia e metia no barril de tirar finos (imperiais, se lido em Lisboa). No fim do recado dava-me o troco? É o davas. Oferecia-me um pastel? Fodias-te. Eu tinha para aí sete anos, o meu pai ainda não tinha trazido pastéis para casa e o Sr. Avelino (o tempo fez-nos amigos) punha-me à frente a merda de um cimbalino. Sete anos, e ele dava-me um café. Se ao menos fosse um cigarro...

Não sou de doces. E, dos pastéis que o meu pai trazia para casa, o que eu gostava mais era da festa, do riso. Daquela meia hora extra fora da cama. Da sensação de família e fartura, da felicidade antes do sono. Porque o meu doce preferido era outro: era a côdea de broa, "grande daqui até ao céu", enfiada às escondidas na lata do açúcar amarelo (tinha que subir à mesa da cozinha para chegar ao armário) e comida na clandestinidade do fundo do quintal. Isso, sim, era o meu bolo. Havia lá coisa melhor no mundo!? Por acaso até havia: era a gemada. Mas essa só podia ser duas vezes por ano, acho eu, pela passagem de classe e no meu aniversário. Com os ovos, lá em casa, todo o cuidado era pouco. Estavam contados, eram para deitar. E ao açúcar a minha mãe fechava os olhos.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 9

Foto Hernâni Von Doellinger

No Parque da Cidade há cisnes-mudos, gansos-bravos, gansos-do-egipto, patos-reais, galinhas d'água, galeirões-comuns, guinchos, piscos-de-peito-ruivo, melros-pretos, chapins-reais, pardais-comuns e pegas. Esta é a população oficialmente recenseada. Mas também há coelhos e toupeiras, gatos e cães vadios, pombas e gaivotas, galinhas que eu já as vi, papagaios e outros benfiquistas, corredores, andadores e passeadores afins, rãs, sapos e salamandras, lesmas e caracóis, grilos e gafanhotos, borboletas a certa hora, sardaniscas e lambisgóias, sardões com e sem rabo, espreitas e bicicletas, cavalos-republicanos às vezes, burros de um modo geral.
Por estes dias há também camiões, guindastes e contentores, dezenas de geradores, megapalcos, supertendas, barracas, tonéis de cerveja que hão-de ser cheios e escorropichados vezes sem conta nem medida, toneladas de lixo e pés, decibéis à solta, ameaços de terramotos, aluimentos, quem dera que não chova, Deus queira que não caia. Há vedações e avisos, pedimos desculpa pela interrupção, o parque segue dentro de dias. Quem estiver mal que se mude, prometemos deixar tudo como estava.
Não sei é se aquele fauna toda foi devidamente notificada.

Foto Hernâni Von Doellinger

Já não há avançados puros (graças a Deus)

                                                                                                 Fotos QUEM ONLINE

"O ADN da selecção mostra que os golos não são marcados por avançados puros", diz o jornal Público e deixa-me mais sossegado. O meu medo era que fosse ao contrário, mas assim estamos nós bem servidos. Com efeito, se fizesse falta, onde é que nos dias de hoje íamos conseguir arranjar um avançado puro? No atletismo ainda há aquela rapariga americana que tem 29 anos e vai aos Jogos Olímpicos virgem pelo menos da boca para fora, mas avançados não. E quem lhes pode levar a mal? Com o dinheiro que ganham, a toléria que têm e o tesão de farmácia, vão ser puros como? E porquê? Afinal de contas, os outros é que marcam golos. Então força, Cristiano Ronaldo!

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Então porque é que isto está a correr tal mal? 3

De que fala Passos Coelho quando diz que a quarta avaliação da troika ao cumprimento do programa de assistência económica e financeira a Portugal decorreu "com bastante sucesso". Mas sucesso para quem quem? Se tudo afinal corre tão bem, porque é que os portugueses estão tão mal.

Então porque é que isto está a correr tão mal? 2

De que fala o ministro Vítor Gaspar quando diz que Portugal "cumpriu todos os critérios quantitativos e objectivos estruturais do quarto exame" da troika? Se tudo corre assim tão bem, então porque é que isto está a correr tão mal?

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 8

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger - esta manhã
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger

E o sucesso é: José Sócrates ou Miguel Relvas?

A JSD quer que as universidades sejam financiadas em função do sucesso dos seus ex-alunos. Não sei como é que a coisa seria medida - se em almudes, se em arrobas -, mas o que nos resta de sorte é que ninguém quer saber do que a JSD quer. E neste ninguém incluo o Governo e o PSD. E a JSD. Entretanto, por favor não gozem com o povo, que isto aqui em baixo não está para brincadeiras.

domingo, 3 de junho de 2012

Então porque é que isto está a correr tão mal?

Cavaco Silva está a "colocar toda a energia" no combate ao desemprego.
Cavaco Silva foi "informado em detalhe por quem tem competência" sobre o estado das secretas.
Cavaco Silva espera que o acordo com o Governo ajude a "estabilizar" as autarquias.
Cavaco Silva lembra que a Europa já superou crises que ameaçavam devastá-la.

Onde o Minho se faz ao Atlântico

Foto Hernâni Von Doellinger

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Não se engasgue, Senhor Bispo. Diga mais.

Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, confessou que quase se engasgou esta manhã com o pequeno-almoço, quando leu que Jardim Gonçalves, antigo presidente do BCP e destacado membro do Opus Dei, recebe uma reforma de cerca de 175 mil euros. Gostei de saber. Este é o bom Dr. Jorge Ortiga que eu conheci há muitos anos e que me parecia que se tinha perdido quando entrou no Paço Episcopal. O que lhe estimo é que nunca se engasgue, caro amigo!  E fico à espera de mais.

Chegaram e tomaram conta do parque - dia 5

Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger
Foto Hernâni Von Doellinger